Telefonema

Alô? Oi! Aqui é o Vanderlei, aqui de Minas! É coisa rápida, tô ligando e você me desculpa se eu já vou direto no ponto, viu? É que não sou homem de ficar com muita firula e enrolação, não: o negócio é que eu quero já há um tempão audiodescrição em revista, livro e filme erótico, pornográfico, de sacanagem e seja lá que nome mais tenha! Não só eu como tenho certeza de que todo cego, faz aí uma enquete pra você ver. Como é que pode, meu Deus, ter audiodescrição em ópera, museu, filme franco-sueco-sei-lá-mais-o-quê e não ter em uma coisa simples, que qualquer homem do planeta adora, seja menino, adulto ou velho?

Nada contra a ópera e o filme de arte, pelo amor de Deus não me entenda mal, que eu gosto de erudição também, mas, aqui entre nós, tem muito mais cego querendo um bom filme de sexo do que uma exposição de arte da Namíbia, é ou não é? O quê?… Tá, concordo que tem de ter audiodescrição em tudo, mas TUDO também inclui o erótico, tô errado? Vocês não falaram aí que o filme HASTA LA VISTA teve cinquenta e cinco cegos pagantes na sessão? Pois então, experimenta fazer um Festival de Cinema Erótico que vocês vão ver o que é público, minha filha, vem caravana de tudo quanto é canto desse país, os cegos vão fazer fila e acampar na rua em frente ao cinema um dia antes pra garantir lugar lá dentro, vai por mim! E pode contar comigo pra sugestão dos filmes que eu tenho aqui uma seleção top de vários países, da época em que eu enxergava, de fazer inveja pra qualquer um…

Como é?…Sei, sei que tem de vez em quando, aliás, vamos combinar que de vez em quandíssimo, né? Sei que teve Bruna Surfistinha e tudo, mas isso aí em São Paulo, até pros cegos daí é quase nada! A gente quer é toda hora… E com uma bela de uma voz sensual, sim, senhora, nem vem falar o contrário que não adianta pôr um cara pra fazer a narração, que todo mundo sabe que não é a mesma coisa! Fica o sujeito com uma fala meio morta, se é em outro idioma a gente jura que ele está rezando uma missa, uma chatice danada! E a linguagem que vocês usam, pelo amor de Deus, aí é que danou-se, não combina mesmo!…Quê?…Eu sei que audiodescrição não é telessexo, mas não são vocês mesmos que vivem dizendo que a locução e a linguagem tem de ser “adequadas ao produto audiodescrito”?!? Então! Ééééé, filha, eu leio muita coisa sobre audiodescrição na internet, seu blog eu leio também! Tem de repensar isso aí se for começar a fazer do jeito que tem de ser feito.

Vou te dar um exemplo de linguagem que não dá certo, vê se eu não tenho razão: moro com a minha mãe desde que fiquei cego, e a gente estava assistindo Gabriela um dia desses e tem uma stripper, mulher do mágico, que em um dos capítulos foi se apresentar no Bataclã, e eu doido pra saber como ela era, como estava vestida, como dançava. Perguntei a minha mãe, uma senhora de 70 anos, pra que eu perguntei até agora não sei, foi por total falta de opção mesmo. Ela: “Ih, meu filho, é bonita a moça, tem olhos azuis, um bocão, está quase nua, mas a genitália está coberta, pelo menos isso!” Genitália?!? Tem coisa mais…como eu vou falar… desanimadora do que essa palavra? Parece aula de anatomia, bem diferente de quando meu sobrinho, de dezessete anos, está aqui, que aí a audiodescrição é AUDIODESCRIÇÃO em letras maiúsculas, filha, é outro departamento e garanto que bem mais eficiente! Hã?…Sei, sei que não dá pra usar termos chulos, vulgares… Pois te digo que é uma pena, o cego perde 90% do impacto, vai fazer o quê? Veja aí o que dá pra fazer, vamos ver se dá pra chegar em um meio termo, nem vulgaridade nem termo técnico, tenha dó.

Já que o assunto é tevê, tenho mais uma coisa pra falar: o lazer do brasileiro é a televisão em primeiríssimo lugar, tem de ter audiodescrição em tudo quanto é programa, vocês têm de correr com isso aí!… O quê?… Sei…Certo… Deixa ver se eu entendi, então os audiodescritores fazem trabalhos conforme as propostas que recebem de quem contrata e podem também apresentar projetos a empresas, mas sem garantia de que vão ser aprovados… Ah, bom!…Sei, sei, vocês também lutam pela audiodescrição mas nós, cegos, temos de escrever às emissoras, editoras, distribuidoras de filmes e reivindicar, opinar, reclamar e tudo… Que trabalheira, hein? Mas, vem cá, se vocês que estão aí no meio não conseguem, imagina eu, daqui! Cego, neste país, tá é lascado, minha filha!

Faz uma coisa, leva um projetozinho lá na PLAYBOY, que tal? Fala aí com esse grupo de pioneiros da audiodescrição, já sei, fala com o rapaz, ele é homem e vai entender melhor o que eu estou falando… Alô? Alô?…Ah, é que você ficou quieta, achei que a ligação tinha caído. Continuando: pra você ver como a coisa faz sucesso, eu tinha uma coleção de CDs com contos eróticos, um espetáculo, coisa de primeira mesmo, emprestei pra muitos amigos cegos copiarem. Pois não é que, há uns vinte dias, em um fim de semana na praia, alguém entrou no meu quarto e levou todos? Fiquei que nem doido e minha mãe perguntou: “Mas pra que tanta gastura por causa dessa bobagem? Pra que que você quer tanto isso?” Essa é boa! Pelo mesmo motivo que todos os caras que enxergam querem, ora, cego só não enxerga, as únicas coisas que não funcionam aqui são meus olhos… Bom, copiei todos os CDs de volta pra mim e agora ninguém me pega mais, na próxima viagem eu levo uma bazuca e um pit bull. Melhor: levo é uma coleção de CDs de música evangélica pro ladrão ter uma boa de uma surpresa quando for escutar…

Tenho uma ideia também, que é genial: audiodescrição delivery! Ó! O que que você acha? A gente liga, escolhe a voz e a pessoa vem em casa, descrever ao vivo o que a gente quiser, não é legal? …Alô? Você tá aí?… Não, não tô brincando não, tô é falando muito sério! Ó, e tem outra coisa, vocês que se cuidem porque, com tamanha lacuna nessa área aí do entretenimento masculino, daqui a pouco começa a audiodescrição pirata e aí é que a cobra vai fumar pro lado de vocês!… Ah, que pena, você já vai desligar?… Sei, um compromisso, é? Tá bom, então, a gente vai se falando, agora eu tenho seu número e ligo outro dia com mais calma, tenho mais um monte de ideias aí pra vocês. Até mais, dá um abraço nos pioneiros, sempre que eu ouço essa palavra me vem à cabeça uns caras com chapéus e botas de cowboy, dentro de uma carroça velha, com umas mulheres de chapeuzinho, vestido comprido e carregando bebês, todo mundo empoeirado em um descampado, o sol a pino… Mas não quero mais tomar teu tempo não, então tchau e ó, desculpa qualquer coisa, muito obrigado e muito prazer, viu?

outrosolhares@terra.com.br

@outrosolharesAD

Anúncios

8 Respostas para “Telefonema

  1. EXAGEROS À PARTE, ESTÁ MUITO CERTO O VANDERLEI, TAMBÉM GOSTARIA MUITO DE ASSISTIR A FILMES ERÓTICOS OU TER À DISPOSIÇÃO PUBLICAÇÕES DO GÊNERO. RI DEMAIS COM ESTA HISTÓRIA. ABRAÇO.

  2. Bom dia, Lucia. Parabéns pela história, muito divertida e real. Nós, cegos, sentimos falta de audiodescrição em livros, filmes e revistas eróticas sem dúvida alguma. Não digo que acamparia em frente ao cinema. Tudo bem, acamparia se nãoestivesse chovendo. Um forte abraço.
    Rafael

  3. Acho que uma enquete nem será necessária para constatar que o Vanderlei tem razão (rs)… Obrigada pela visita, Rafael, um grande abraço pra você!

  4. Concordo, Mário… Eróticos ou não, que venha, cada vez mais, o maior número possível de filmes, livros, peças e festivais com audiodescrição! Agradeço a visita e a mensagem, um abraço!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s