A função de suporte na audiodescrição ao vivo: o que é isso?

Não faz muito tempo, estava em um coquetel que encerrou os três dias de um evento no qual trabalhei como audiodescritora. Em meio a muitas risadas e a conversas misturadas dos participantes, a voz da Lívia Motta ali perto. Ela explicava a uma audiodescritora a necessidade da função de suporte em eventos audiodescritos ao vivo, quando foi interrompida por um rapaz cego que estava ao lado e que perguntou: “Mas onde está escrito isso? Quem disse que esses eventos precisam de suporte?” Olhei para ela que, já de cenho franzido e mãos na cintura, respondia com educação e firmeza: “EU estou dizendo!!!”, com a autoridade de quem é referência em audiodescrição no país, com estudos e pesquisas contínuos há anos e vasta experiência de mercado na área. Peguei meu copinho de vinho e saí de perto, rindo, enquanto o rapaz ouvia, calado, uma necessária aula sobre o tema.

Mas, o que é, afinal, o suporte na audiodescrição? Presente em pouquíssimos eventos audiodescritos em São Paulo, o suporte nada mais é do que a função desempenhada por alguém da equipe que, familiarizado com o recurso e com pessoas com deficiência visual, é responsável pela recepção e atendimento a elas, da condução até o assento à troca de equipamentos quando falham, passando até mesmo por, em palestras, afastar fotógrafos e participantes da frente da cabine de audiodescrição, que simplesmente estacionam diante do vidro e esquecem da vida, ou pedir a um cego que abaixe o volume de seu fone de ouvido pendurado no pescoço, porque incomoda quem está em volta. Sem o olho vivo do suporte, cegos que não utilizam bengala nem estão de óculos escuros, apenas de braços dados a um acompanhante, muitas vezes passam despercebidos e participam dos eventos sem contar com a audiodescrição. O suporte também explica e oferece o recurso a quem não o conhece e, algumas vezes, faz um indispensável revezamento com o audiodescritor na narração de longos seminários. Da correria para carregar pendrives com imagens trazidas pelos palestrantes ao pedido de ajuda feito a técnicos dos eventos para solucionar problemas dentro da cabine de audiodescrição, como falhas nos equipamentos de transmissão, lá está o suporte como precioso aliado do audiodescritor. Também tem a função de procurar as pessoas com deficiência visual para ouvir opiniões sobre a audiodescrição no final. Alguns eventos chegam a reunir até trezentos cegos e, aí, são necessários, no mínimo, dois deles. O suporte é figura fundamental porque a função dos técnicos das empresas que fornecem os fones de ouvido para os eventos é somente essa: fornecer e, no máximo, trocar equipamentos com problemas e, ainda que estejam preparados, pelo contato frequente com audiodescritores e cegos, muitas vezes ficam posicionados do lado de fora ou distantes do auditório, o que impossibilita o trabalho, já que não podem ficar afastados de sua mesa de equipamentos.

Insisto em compartilhar alguns aspectos práticos da audiodescrição de eventos ao vivo porque, quando desconhecidos – e o são por grande parte de estudiosos e profissionais da área -, viram um prato cheio para sérios imprevistos que acabam por comprometer o trabalho de audiodescrição. Quando é realizada ao vivo, necessita e muito da colaboração de pessoas que, embora muitas vezes receptivas, sabem quase nada sobre o recurso, caso de técnicos de áudio e organizadores dos eventos, ou dispõem de pouquíssimo tempo para ele – caso, por exemplo, observado em complexos espetáculos de dança, que exigem, além das pesquisas habituais, não apenas a consulta mas o trabalho conjunto com diretor e coreógrafo na elaboração e aprovação dos roteiros, para que sejam empregados termos absolutamente precisos na tradução de conceitos, movimentos, figurinos, na história que é contada no palco.

O suporte, enfim, é apenas um pequeno exemplo entre muitos de como a prática da audiodescrição, feita com dedicação e seriedade, ensina, aperfeiçoa, adapta, sutiliza, complementa, cria ou modifica regras. Como a prática de qualquer outra profissão. Aliás, como a prática de qualquer coisa na vida.

outrosolhares@terra.com.br

@outrosolharesAD

Anúncios

6 Respostas para “A função de suporte na audiodescrição ao vivo: o que é isso?

  1. SEMPRE BRINDANDO-NOS COM REFLEXÕES LÚCIDAS, INÉDITAS, AGRADÁVEIS DE LER. EU MESMO NÃO CONHECIA O ALCANCE E A IMPORTÂNCIA DESTA FUNÇÃO DE SUPORTE. SÓ PEÇO QUE NÃO FIQUE TANTO TEMPO SEM ESCREVER SEUS TEXTOS FAZEM FALTA.

  2. Alguns acidentes de percurso e os posts tardam mas não falham, J.C. (risos). Obrigada, mais uma vez, um grande abraço!

  3. Lúcia, ler seus textos é como conversar com uma amiga esperta que conta pra gente de um jeito fácil tudo sobre um assunto, mesmo sendo específico como audiodescrição. Jamais imaginei que houvessem tantas coisas a dizer sobre um tema. Parabéns e um abração.

  4. Mauro, nem sou tão esperta e estou longe de conhecer tudo sobre um assunto, mas sei que uma boa conversa funciona (risos)… A audiodescrição tem muito a ser debatida e explorada, ainda mais por estar apenas começando no Brasil. Obrigada pela visita e pela mensagem, um abração pra você também!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s