Outro Olhar – Entrevista com Marco Antonio de Queiroz, o MAQ

“Se não amasse tanto a vida, já não estaria vivo”, ele diz, rindo. Ou: “O cego é um inculto visual”. Passional e de opiniões fortes, Marco Antonio de Queiroz, mais conhecido como MAQ, é um grande incentivador da acessibilidade. Aos 56 anos e cego desde os 21, é criador do site Bengala Legal, um dos maiores portais brasileiros sobre deficiências, consultor em acessibilidade na internet e autor do livro Sopro no Corpo: Vive-se de Sonhos. Aposentado desde 2003 como programador de computadores do SERPRO (Serviço Federal de Processamento de Dados), é casado com Sônia, pai de Tadzo, de 24 anos, e flamenguista fanático. Nem os graves problemas de saúde afetaram o bom humor e o riso fácil desse carioca que, franco, extrovertido e de fala mansa, conversou com Outros Olhares, inaugurando no blog a seção Outro Olhar, que pretende trazer a você convidados que, como o MAQ, tenham muita coisa bacana a dizer.

CEGUEIRA

Perdi a visão por causa da diabete, que tenho desde os três anos de idade. Quando tinha 21, cheguei em casa na madrugada de sexta para sábado do Carnaval de 1978, guardei o carro na garagem e fui dormir. Acordei cego. Mas nunca tive o que chamam de “morte do cara que enxergou e nascimento do cara que não enxerga”. Não me senti morrendo, me senti em transformação e tendo de aprender a ser cego – aliás, continuo aprendendo (risos). Tenho um amigo que escala montanhas, é um cego sem os limites do cego. Comprou uma casa, orientou sozinho toda a reforma e fez uma pousada. A cegueira restringe seu mundo, sem dúvida nenhuma, mas o quanto restringe vai depender da permissão que você der a essa restrição. Ao longo da vida, fui e continuo sendo muito mais restringido pela diabete do que pela cegueira.

INCLUSÃO

Fui fazer um curso de processamento de dados no Instituto Benjamin Constant, aqui no Rio de Janeiro, em 1981 ( *O Instituto foi fundado por D. Pedro II em 1854 com o nome de Imperial Instituto dos Meninos Cegos). Eu era o único não interno e o único que nunca havia sido aluno.  Os colegas me diziam: “Que bom, você está no mundo lá fora”! Isso foi muito marcante para mim. Eram mesmo dois mundos e continua sendo assim principalmente para pessoas com deficiência intelectual, que são formadas para o isolamento, são ensinadas a ser deficientes. Já para cadeirantes não existem escolas especiais, eles estão espalhados pelo mundo e por isso são mais lutadores. Não é à toa que o símbolo internacional das pessoas com deficiência é um cadeirante. Há alguns anos eu defendi a inclusão na lista de discussão na internet de ex-alunos do Benjamin Constant, enquanto o discurso ali era pela educação especial, isso em discussões de alto nível, com pessoas inteligentes e com a excelente formação dada pelo Instituto. Fiquei pouco à vontade para continuar e acabei saindo da lista, mas voltei há umas três semanas.

GRATUIDADE E ACESSIBILIDADE

Quem é a favor da gratuidade é inimigo dos cegos. Gratuidade em produtos e serviços é a não inserção da pessoa com deficiência na economia do país e se a defendem têm de lutar por um movimento que não seja exclusivo de quem tem deficiência e sim de qualquer pessoa sem condições financeiras. Cego tem de ter acessibilidade.

AUDIODESCRIÇÃO

Comecei a me envolver com audiodescrição em 2007, como jurado do “Assim Vivemos”, festival internacional de filmes sobre deficiências. Fui interlocutor de um chat para discussões sobre o festival, que aconteciam logo após a exibição de um dos filmes na TV Brasil, uma vez por semana. Também já fiz revisão de filmes e de descrições de imagens estáticas em livros. A audiodescrição é o recurso mais necessário e mais completo que existe para a pessoa com deficiência visual porque dá olho ao cego. Ainda falta muito mas está crescendo, especialmente a malfeita (risos). A falta de interesse e de luta dos próprios cegos pelo recurso é uma das maiores dificuldades para a implementação de uma audiodescrição de qualidade no país.

CULTURA

O cego é um inculto visual. A cultura do cego é a falta de cultura. Não tem repertório cultural de teatro, cinema ou televisão, tem apenas o do rádio e está acostumado a isso. Outro dia, eu estava assistindo sozinho a um filme na TV de madrugada e fiquei sem saber o final, não entendi nada. O pior é que também não sei qual o título porque não é falado, só aparece escrito na tela. É frustrante mesmo, o cego se decepciona pela não compreensão, perde o interesse e simplesmente desiste, não luta pelo direito de acesso a produtos audiovisuais. Mudar isso, implementar e ampliar o visual na vida do cego encontra até resistência. Ele procura saber apenas o mínimo necessário para exercer suas atividades cotidianas. Se vai à farmácia, por exemplo, só sabe entrar e ir até o balcão, não dá importância ao que há em volta.

HEROÍSMO

Nenhuma pessoa com deficiência é heroína, como muita gente diz. Não há heroísmo algum nas milhares de histórias de superação de limites pessoais de quem é cego. Se me jogo na calçada para escapar de um atropelamento no meio da rua, não sou um herói, sou um sobrevivente e fiz isso por mim mesmo. Se impeço que uma velhinha seja atropelada, aí, sim, sou um herói. Heroísmo é fazer pelo outro.

SAÚDE

Por causa da diabete, já fiz dois transplantes: um de rim e outro de pâncreas. Tive uma diverticulite e tirei 25 centímetros do intestino. Quando entrei no hospital para essa operação, saí com uma pancreatite aguda que me rendeu um mês de internação no CTI. Ainda tive um vírus no cérebro que se espalhou pelo corpo e paralisou algumas funções. Perdi um pouco da memória e por isso parei de dar palestras. Outro dia não conseguia lembrar do nome do lugar em que estava e o nome era: posto de gasolina (risos)! Aplico insulina três vezes ao dia e meço a glicemia três vezes por dia também, isso quando está controlada. E tomo imunossupressores, remédios fortíssimos, que diminuem as defesas naturais do organismo para que não ataquem os órgãos transplantados, que são corpos estranhos. As defesas diminuem e, com isso, aumenta minha sensibilidade a vírus, bactérias e fungos, por isso saio muito pouco. Se vou a um banheiro de aeroporto é certeza de pegar uma infecção. Aí, algumas vezes, preciso ficar internado no hospital durante catorze dias tomando antibióticos. Fiquei doido para participar do Segundo Encontro Nacional de Audiodescrição, no final do ano passado em Juiz de Fora, Minas Gerais. Estava tudo certo para ir, tinha acompanhante e tudo, mas passei mal e fiquei inseguro de viajar. Isso é o que me “torra” de verdade, as limitações impostas pela minha saúde. A cegueira para mim não é nada, são cócegas no pé. Se não amasse tanto a vida, já não estaria vivo (risos).

RELIGIÃO

Sou ateu. Mas estudei em colégio de padres e já passei pelo catolicismo, pela doutrina espírita e pela filosofia da Ordem Rosacruz. Já estava em uma busca espiritual antes de perder a visão, que só foi intensificada quando fiquei cego. Fico até triste de não acreditar em Deus e de não seguir uma religião (risos), porque seria um bom caminho para ter consolo e esperança. Ainda leio livros que tratam de religiões porque gosto da paixão que vejo nos outros.

ROTINA

Gosto dos amigos, livros e nada mais (risos)… Uso o computador principalmente para ler livros. Li recentemente dois de que gostei muito: A Cicatriz de David, romance sobre uma família marcada pelo conflito entre palestinos e israelenses, e A Culpa é das Estrelas, sobre o amor entre dois adolescentes com câncer, em uma história sem pieguice. Televisão só assisto mesmo porque sou louco por futebol! Acabo assistindo muito mais TV quando estou internado e, infelizmente, com quase nada de audiodescrição.

MAQ

Sou um cara apaixonado, é a paixão que me move, não consigo evitar e é somente com paixão que eu posso viver.

outrosolhares@terra.com.br

@outrosolharesAD

Anúncios

15 Respostas para “Outro Olhar – Entrevista com Marco Antonio de Queiroz, o MAQ

  1. Parabéns, Marco Antonio de Queiroz pela entrevista franca e corajosa, que só poderia estar em um único lugar, Outros Olhares. Já o conhecia pelo Bengala Legal que considero excelente e agora passo a admirá-lo como pessoa e como um grande lutador pela acessibilidade, espero que mais cegos passem a reivindicar o direito a audiodescrição. Um abraço.

  2. Marco Antonio de Queiroz, estou encantada com sua entrevista!

    Quanta força e coragem, quanto carisma, quanta verdade em suas palavras, um verdadeiro aprendizado!

    Esta luta pela acessibilidade e como cego pela audiodescrição já mostra um Deus que está aí dentro, quer vocÊ acredite ou não.

    Meus parabéns a você e a Lúcia Maria, única em abordar a deficiência visual de forma tão inédita e cativante.

  3. Figuraça esse MAQ, quanta dificuldade, ele é o cara!!! Jamais imaginei que a cegueira tinha tantos aspectos, a entrevista acrescenta muito, parabéns!!!

  4. Marco Antonio de Queiroz, receba meus cumprimentos pela franqueza, pelo domínio do tema acessibilidade e pelo bom humor diante de tantos obstáculos.

    Fiquei surpreso com minha própria ignorância, quanto temos a aprender sobre um tema vivido por milhões de pessoas em todo o mundo e ao qual a maioria dá pouca ou nenhuma atenção.

    Lucia, vida longa a Outros Olhares!

    Abraços aos dois.

  5. Parabéns Marcos pela entrevista tão corajosa e sincera! Parabéns Lucia Maria pelo Blog e pela nova editoria que fará grande sucesso!
    Um abraço,

  6. Lucia Maria, você inaugurou muito bem a seção de entrevistas. Parabéns!!! O MAQ é um amigo querido, uma pessoa formidável, que sempre tem muito o que dizer. É o embaixador da audiodescrição no Brasil. Desde o começo, que ele é nosso incentivador e grande apreciador do recurso. MAQ, nós todos sentimos muito a sua falta no 2o Encontro Nacional de Audiodescrição. Beijo grande para os dois.

  7. A-ma-mos a entrevista do MAQ e já amávamos este blog, show, parabéns!!!
    Qual é o endereço do site Bengala Legal? Bjs

  8. A entrevista do MAQ deveria ser lida por toda pessoa que deseja obter um pouco mais de sabedoria. Fantástico, é tão bom ler coisas assim, e eu acho que foram das reflexões mais legais que eu já li. O MAQ não é um herói e nem merece palmas por ser ~um cego de sucesso, merece palmas por sua competência, sabediria e inteligência, isso sim. parábens!

  9. Foi excelente trocar ideias com Lúcia Maria. Ela nos deixa tão à vontade que a entrevista passa ser um bate-papo relaxado e profundo. Falar sobre a vida e a morte, sobre doenças e fraquezas, paixões e pensamentos que vão contra a maré, falar, enfim, sobre tudo que acreditamos, não parece ser tarefa fácil, até que a entrevista acabe e o difícil passe a ser o acontecido. Lúcia Maria é pessoa polêmica, gosta das transparências e da sinceridade. Eu também… assim… deu certo!

    Abraços fáceis de usar do MAQ.

  10. Agradeço as participações e as mensagens carinhosas e generosas para o blog e para mim. Um grande beijo a todos e um especial para você, MAQ. Obrigada, mesmo, por uma entrevista que me emocionou demais.

  11. Marco Antonio de Queiroz, há muito tempo não leio entrevista tão forte, comovente e esclarecedora, concordo com o JC que só poderia mesmo ser aqui em Outros Olhares, que sempre surpreende com reflexões sobre as quais principalmente quem enxerga e até muitos cegos não haviam pensado sobre a audiodescrição e a deficiência visual. Passei a conhecê-lo e admirá-lo imensamente, meus parabéns. Sua mensagem acima para a Lúcia me fez pensar no quão rica e interessante deve ter sido esta entrevista! Beijos aos dois.

  12. Nosso amado MAQ faleceu hoje (02/07/2013), aos 56 anos (20/10/1956) no Rio de Jneiro.

    Deixa-nos mais que admiração e saudade: deixamos o exemplo do que é viver com GARRA, pegar a vida com pés e mãos, abraçá-la, exercer sua cidadania com ATITUDE!

    Pai, esposo, profissional, amigo sempre admirável, incomparável, pessoa que fez dirença no mundo, por onde passou e com quem conviveu.

    MAQ… que saudade já! Quão bela e raçuda foi sua vida!

    Beijo e gratidão eternos.

    Kathleen Lessa

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s